Bebês podem comer ovo? Saiba quando introduzir o alimento!

Bbebês podem comer ovos, mas você deve ficar atento sobre quando eles podem começar a comer este alimento

Cheios de restrições nos primeiros anos de vida, uma dúvida comum de pais é se bebês podem comer ovo. É durante a introdução alimentar que os pequenos iniciam o consumo de sólidos.

No entanto, esse alimento tem potencial alergénio devido às suas proteínas de origem animal. Depois de quantos meses devemos então, fazer essa introdução?

Se você quer saber tudo sobre o consumo de ovos pelos bebês, continue lendo este conteúdo. Mostraremos nele, quando introduzir, seus riscos e benefícios.

Bebês podem comer ovo ou não?

Se seu filho está na fase da introdução alimentar, é comum ter dúvidas sobre o que dar a ele ou não. Entre os vários alimentos sólidos existentes, os ovos geram muitas dúvidas.

Os bebês podem comer ovo e quanto antes melhor! De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), é por ter um potencial de causar alergia que o alimento precisa ser ingerido cedo.

Já ouviu falar que crianças que brincavam na lama têm mais anticorpos e ficam menos doentes? Bom, cabe aqui uma analogia no consumo de ovos.

O quanto antes uma criança é “exposta” a sua ingestão, mais rápido seu corpo vai se acostumar com esse alimento. A diferença aqui é que a ideia não é criar anticorpos e sim, evitá-los.

Boa parte das alergias, inclusive a do ovo, é causada por uma reação do sistema imunológico. Essa ocorre quando ele identifica algum corpo estranho no organismo.

Desse modo, quando a criança logo cedo se acostuma com o alimento, maior a sua aceitação pelo organismo. O que faz com que as alergias, mesmo quando existe predisposição genética, não apareçam.

Quais os riscos do consumo na primeira infância?

Apesar de rico e muito nutritivo, o ovo é um alimento de origem animal que possui proteínas alergênicas. Com isso, o maior risco que apresenta é o de crianças desenvolverem alergia ao seu consumo:

  • Por meio de contato cutâneo – medicamentos, vacinas ou o alimento em si;
  • Através da ingestão – puros, usados em receitas e fórmulas.

Seja pelas proteínas presentes só na clara ou na gema, quanto aquelas encontradas no ovo inteiro, isso pode acontecer. Outro risco que esse consumo pode ter é o de salmonella, um tipo de infecção. Para evitar isso, é essencial cozinhar bem o alimento.

A partir de quantos meses os bebês podem comer ovo?

A partir do sexto mês os pais podem introduzir ovos na dieta do bebê

Ainda segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, o consumo deve ser feito a partir dos 6 meses. Inúmeros estudos apontam que isso reduz os riscos da incidência de alergias.

Especialmente quando comparamos as crianças que tiveram algum tipo de contato apenas após 1 ano de vida. Mesmo que a alergia aconteça, o tratamento é simples: remover o insumo da dieta.

Mas, isso não necessariamente ocorre para sempre. Já que em muitos dos casos a alergia desaparece com o passar dos anos, sendo possível consumi-lo de novo.

O período entre os 6 e 9 meses leva o nome de janela imunológica. Por isso, é nele que o bebê deve começar a comer ovo. Algo que vai prepará-lo para a alimentação da vida adulta, onde o ovo tem grande protagonismo.

Leia também: “6 brincadeiras com caixas de ovos para crianças” e confira como tornar seu consumo de ovos ainda mais sustentável.

Como introduzir o ovo na alimentação dos bebês?

A forma como o bebê pode consumir ovos é a segunda maior preocupação dos pais. Mas a indicação é de começar com a introdução da gema. Só posteriormente, inserir as claras na dieta dos pequenos.

Isso pode ser feito em dias seguidos ou próximos um do outro. Ao introduzir a clara, faça isso juntamente da gema já conhecida agora pelo bebê.

Como a clara é a maior causadora das alergias, iniciar pela gema é um forma de já trazer componentes do ovo ao organismo sem desencadear reações. Em ambos os casos, lembrando de cozinhar bem para evitar as infecções.

Ao servir ao seu filho comece com pequenas porções e em diferentes texturas (saudáveis, evite fritar). Não adianta apenas preparar o organismo, o paladar da criança também é importante. 

Faça ovos cozidos, omelete, mexidinho ou “frito”. Nos dois últimos casos, o recomendado é fazer com azeite de oliva ou de coco extravirgem, usando poucas gotinhas e em uma frigideira anti aderente.

Depois que o bebê se acostumar a comer ovo puro, você pode acrescentar em outras comidas. Por exemplo, mexidinho dentro da papinha e das comidinhas sólidas e pastosas.

O importante é nunca usar sal, sempre cozinhar bem e não dar junto com outra proteína na mesma refeição. Você pode utilizar ervinhas no preparo e oferecer cerca de 2 a 3 vezes por semana de início.

Se o pequeno não gostar a princípio não desista, faça novas tentativas sem forçar. Na hora do supermercado, valem ainda outras dicas importantíssimas:

  • Escolha os mais frescos possíveis e esteja atento à validade do ovo;
  • Se possível compre ovos enriquecidos ômega-3;
  • Orgânicos e caipiras também são melhores.

Quais os benefícios do ovo para os bebês?

Os benefícios do consumo de ovos pelos bebês são diversos, desde que dados corretamente à criança. Completo em termos de aminoácidos, seu consumo estimula:

  • Reparação dos tecidos desgastados;
  • Manutenção do organismo;
  • Crescimento saudável.

Os ovos possuem gorduras boas, que controlam o colesterol, reduzindo o considerado ruim LDL. Além disso, é rico em fósforo, zinco e selênio, e vitaminas lipossolúveis, como A, D, E, e K. Depois do leite materno, esse alimento é visto como a melhor fonte de proteína para crianças.

Conclusão

Bebês não apenas podem comer ovo, como é algo a ser estimulado após eles completarem 6 meses. Afinal, esse alimento está presente em diversas receitas comuns ao dia a dia de qualquer pessoa.

Inserir o consumo cedo, durante a introdução alimentar feito no período da janela imunológica, reduz a incidência de alergias. Além de ajudar na construção do paladar e crescimento adequado dos seus filhos.

Compartilhe este conteúdo para que mais pais beneficiem-se dessas dicas assim como você!